Religioso

O Espírito Santo tem forte vocação para o turismo religioso. O principal atrativo é Festa da Penha, uma homenagem à padroeira do Estado, que recebe cerca de 1,5 milhão de turistas e visitantes durante oito dias de celebrações que acontecem na Grande Vitória, especialmente no Convento da Penha.

Outra manifestação religiosa muito popular é a Festa de São Benedito, uma tradição comemorada em vários municípios do Estado. Além disso, Os Passos de Anchieta, a festa de Corpus Christi de Castelo e seus tapetes e o Circuito Caminhos da Sabedoria refletem bem essa busca pela fé e pela espiritualidade, sempre tão presentes na história e na cultura do Estado.

Em relação aos monumentos, em Vitória são destaques: a Catedral Metropolitana, construída no século XX em estilo neogótico, com seus vitrais valiosos, e o Santuário-Basílica de Santo Antônio, construído na década de 60 e dotado de três cúpulas, com arquitetura em estilo barroco, sendo uma réplica de um templo italiano do século XVI consagrado à Maria, na cidade italiana de Todi.

Em Vila Velha, fica a Igreja do Rosário, a mais antiga do Brasil em atividade, com sua construção iniciada em 1535, logo após a chegada do donatário, sob a forma de capela. Recebeu naquela época o acréscimo de uma nave maior e o nome de Igreja Santa Catarina, sendo posteriormente denominada de Igreja do Rosário. Ela é um bem tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Outra igreja histórica capixaba é a dos Reis Magos. Localizada em Nova Almeida, em Serra, constitui um dos principais exemplares do patrimônio arquitetônico jesuíta brasileiro, por ser uma das edificações que menos interferências sofreu nos séculos que se seguiram à sua construção. O conjunto arquitetônico é formado por uma praça e fica a 40 metros de altitude em relação ao nível do mar.

Em Anchieta, fica a Igreja Nossa Senhora da Assunção, ou Santuário Nacional de Anchieta. É uma das mais antigas do Brasil e, segundo a tradição, sua construção se deve a São José de Anchieta. Construída no século XVI, foi feita com o trabalho dos índios catequizados.

Outros municípios também têm monumentos de grande importância histórico-religiosa, entre eles: a Igreja Tirol, em Santa Leopoldina, construída em 1898 em estilo neogótico; a Igreja Matriz Nossa Senhora da Penha, no município de Alegre, feita de barro e madeira em 1851; a Igreja Nossa Senhora das Neves, construída em meados do século XVII, na Praia das Neves, em Presidente Kennedy; e a Igreja Nossa Senhora do Amparo, o principal marco histórico do município de Itapemirim, inaugurada em 1885. O Estado abriga ainda o Mosteiro Zen Morro da Vargem, primeiro mosteiro budista da América Latina, localizado no município de Ibiraçu.

Convento da Penha

O ponto turístico mais visitado do Estado e um dos ícones do Espírito Santo, o Convento da Penha, fica em Vila Velha e é um santuário construído pelos escravos, em 1558, em cima de um grande rochedo. Juntamente com a Igreja Nossa Senhora do Rosário, o Convento faz parte do Sítio Histórico da Prainha, em Vila Velha.

É considerado o principal monumento religioso do Estado e símbolo de devoção a Nossa Senhora da Penha. Segundo a versão popular, o quadro de Nossa Senhora teria sumido da gruta onde o Frei morava, reaparecendo e indicando, assim, o lugar onde deveria ser construído o Convento, no alto de um morro de 154 metros. A edificação da “Ermida das Palmeiras” foi erguida por volta de 1560.

Saiba mais: https://conventodapenha.org.br/

Basílica de Santo Antonio

Localizada na capital Vitória, a Basílica de Santo Antonio foi projetada e construída entre as décadas de 1950 e 70. A perfeição e simetria das formas remete a igreja bramantesca de Nossa Senhora da Consolação, um templo do século XVI, da cidade de Todi, na Itália. Os padres pavonianos contaram com a ajuda dos moradores do bairro de Santo Antônio, em mutirão, na construção do Santuário, hoje elevado a basílica. Foi dedicado ao antigo santo padroeiro da Cidade.

Quem entra no interior, sente-se envolvido numa luminosidade moderada que convida à oração, ao aconchego e à meditação. O Santuário-Basílica de Santo Antônio possui 37,74 m. de altura até o final da cruz acima da lanterna de navegação, ocupando com os anexos e os pátios 2.575 m² e uma área no seu interior de 905m², incluindo as quatro salas internas, com um perímetro de 103,37m. e comporta um total de 2.089 pessoas, sendo 656 sentadas. O Santuário possui 117 janelas, sendo que somente as que ficam na cúpula central e as que possuem vitrais decorados contêm frontões triangulares. Há também cinco portas de acesso.

Em abril de 2010 o Santuário-Basílica recebeu o Registro de Patrimônio Histórico Municipal. O Tombamento visa a preservação do imóvel, mantendo-o em suas caraterísticas originais, preservando a sua edificação como mais um símbolo para a Cidade de Vitória. Espera-se, em razão disso, que se possa captar os necessários e sempre providenciais recursos para a sua indispensável manutenção.

Site: www.basilicadesantoantonio.com.br

Igreja dos Reis Magos - Serra (ES)

A Igreja dos Reis Magos, localizada no município da Serra, é um dos melhores exemplos da arquitetura jesuítica no Brasil. Concluída em 1580 é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico (IPHAN) e constitui um dos principais exemplares do patrimônio arquitetônico jesuíta brasileiro, por ser uma das edificações que menos interferências sofreram nos séculos que se seguiram à sua construção. O conjunto arquitetônico também é formado por uma praça e fica situado a 40 metros de altitude em relação ao nível ao mar.

A igreja ostenta, no altar, um retábulo entalhado em madeira de grande valor artístico. O altar da Igreja, construído em 1701, apresenta retábulo entalhado em madeira e, no centro uma obra do pintor frei Belchior Paulo, retratando a adoração dos Reis Magos. O quadro é considerando uma das primeiras pinturas a óleo o Brasil, já que a pintura jesuítica, no Brasil, se inicia em 1587, com a chegada do frei Belchior Paulo.

Igreja do Rosário - Vila Velha

A Igreja do Rosário é a  mais antiga do Brasil em atividade, com sua construção iniciada em 1535, logo após a chegada do donatário, sob a forma de capela. Recebeu naquela época o acréscimo de uma nave maior e o nome de Igreja Santa Catarina, sendo posteriormente denominada de Igreja do Rosário. Ela é um bem tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).